Gincanas

Durante a semana dedicada à cultura de Buerarema, várias personalidades da comunidade deram seu depoimento sincero e até saudoso dos momentos mais marcantes e singulares da época das Gincanas.

Em Buerarema, a palavra gincana tem forte carga de sentido, memórias e emoções. A professora Isabela Santos relata que iniciou na competição através da equipe Vira-Copos e depois migrou para a equipe Jequitibá (que considera sua equipe de coração), que contava com a liderança coletiva de muitos professores, dos quais se destacou Jidebaldo Sousa. “A harmonia era o carro-chefe da equipe”, recorda ela com carinho. A professora Isabela Santos coordenava os grupos de dança e das apresentações musicais.
 

Anderson Andhy pontua a resistência da equipe Morro dos Macacos Molhados, coordenada por Alderico Gomes e formada principalmente por moradores das regiões mais vulneráveis da cidade. “O esforço que eles faziam era quase sobrenatural, sobre-humano, para dar conta das atividades”, frisa o mediador.

Luciano Nobre passou pelas equipes Jequitibá e Vira-Copos. Dentre os momentos marcantes, destacou a participação de Íris Aragão como Elba Ramalho, durante a apresentação ele e Georgina Menezes foram os bailarinos das cantoras. Bem como a esquete de Ofélia e Fernandinho, onde contracenou com a saudosa Meire Roseira e Alex Cabral para a equipe Jequitibá. Luciano entende que esse modelo de atividade (gincana) não se esgotou, mas, ao contrário, precisa ser reativado com conscientização, de modo que a comunidade não se deixe abater pelos obstáculos, principalmente o da violência.
 

A professora Joane Liane relembra seus primeiros contatos com a gincana de Buerarema. Nascida no seio de uma família leitora, enxergou na gincana uma resposta para os anseios de teatro que existiam nela e em seus pares. Agradeceu ao prefeito Ernandi Lins por iniciar esse novo formato de gincana, e a dona Eurides Silva, a grande madrinha que sempre abraçou Ekipnicu, sua primeira equipe.

Seu empenho para a atividade era formidável. Ela chegava a perder 10kg durante a gincana. Relata que ouviu falas preconceituosas por ser uma mulher casada, professora e estar no meio de pessoas “irreverentes”. A professora Joane também acredita que a gincana possa ser resgatada. “Basta começar, é necessário ter a disponibilidade para enfrentar os desafios”, afirma empolgada. Com a recuperação das gincanas, após 2000, ela fundou a equipe Virtual ao lado de Andinho Andhy, Norma Nunes, Elion Rodrigo e outros.

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

Diego Gonzaga, ator do grupo de teatro A Tribo, contribuiu ativamente nas últimas edições, mas, sobre as gincanas, tem recordações de uma vida inteira. Salienta a memorável cena em que o professor Jidebaldo Sousa incorporou Salomé do Passo Fundo (personagem de Chico Anysio) para a equipe Jequitibá, uma das cenas mais emblemáticas que as gincanas deixaram como legado. Assim também foram as interpretações de Ney Matogrosso, disputadas por Erivaldo Rosa, Geri Ferreira e Nem de Zé de Gringo, em que este último levou a vitória. Chacrinha, vivido pelo inesquecível Caboclo Elias e Sargentelli, encarnado por seu Dudinha. Grandes momentos para o povo bueraremense que se esbaldava com os shows apresentados pelas equipes.
 

Destacou também a introdução da tecnologia nesse processo, quando a equipe Virtual, fazendo jus ao nome, trouxe algo inovador: um cenário criado por um projetor de imagem, do qual saíam os personagens. Em contraponto, relembra que as gincanas surgiram da época de Paulo Portela, primeiro prefeito da cidade, com tarefas como a quebra de cacau, serragem de madeira, corrida de saco, todas valorizando a cultura agrícola da região.
 

Foram relembrados nesta roda de conversa, a participação de muitas e ilustres personalidades de nossa cidade como o professor Valmir Mendes, Rose Alves e seu irmão Peninha, Vicente Ferreira, professora Aflaudísia Souza, Marcelo de Rochinha, Loli, Magnobaldo Sant’Ana (Magui), Humberto Nobre, Nilton Brito, Cassimiro Dias, Margareth Soares, Paulo Anão, Nívea Santa Fé, Lila Lins, Norma Muniz, Nego Nau, Edilson Cabeleireiro, Lula Pereira, Netinha Silveira, Aurino Neto, Val do Mercado da Manteiga, Neuza Brito, Astor Vieira Júnior, Professor Agenildo, Gal Macuco e o senhor Pitácaro.
 

Um capítulo especial das Gincanas deve-se à professora Norma Muniz, que coordenou a Gincana das Crianças, em outubro, tendo o seu ponto forte no dia das crianças, 12 de outubro, com a participação de equipes compostas por crianças e adolescentes. Diga-se de passagem, uma farra!

Acreditamos que a comunidade gostava de ver as atividades sendo realizadas, participava e colaborava para ver a cada dia novas tarefas cumpridas, havia muito humor, muita garra, uma dedicação para que tudo saísse a contento. Que voltem a ser realizadas as Gincanas a fim de movimentar e integrar mais a juventude que dispôs de toda a energia para a realização desse evento.

FOTO RAFAEL VILA MAUCO.jpeg

Rafael Guirra

24 anos, tem Buerarema como sua terra-mãe. Graduando em Direito pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), é ator amador, agente cultural integrante da Casa de Cultura Jonas e Pilar e atual presidente do Instituo Macuco Jequitibá (2018 - atual)

jidebaldo.jpeg

Jidebaldo Souza

Natural de Juçari/Ba. Nasceu em 19 de junho de 1951. Foi professor da Rede Estadual de Ensino de 1980 a 2011. E na gincana foi Salomé do Passo Fundo... Seu maior brilho.