Montaria

O bate-papo iniciou destacando a importância das montarias organizadas em Buerarema e reverenciando nomes importantes nessa construção, como Daniel cavaiadeiro, Crispim da farmácia, Márcia Teles, Raimundo tropeiro (meurimão), Simões, Seu Hortêncio e Luís Nunes.
 

Para falar sobre o nascimento da Associação dos Cavaleiros Organizados de Buerarema (ACOB), Crispiniano, conhecido como Crispim da farmácia, relembra que as pessoas mencionadas costumavam se reunir aos domingos, e em um destes, levantaram a ideia de iniciar uma montaria de largo. Ele aparece na entrevista trajando uma camisa da ACOB e a do ano anterior está pendurada no cenário atrás dele. Ele não sabe mencionar a idade exata da associação, mas indica que existe há pelo menos 28 anos, pois esta é a idade da primeira montaria, que só ocorreu após a organização do grupo.
 

Destacou o papel de Simões que encabeçou o projeto durante longo tempo e após sua contribuição, Crispim e outros montaram uma comissão para dar continuidade ao projeto. Contou com Alan Mendes, Lourinho, que são os principais hoje. Afirma que o município é o maior incentivador da atividade,mas quem faz permanecer a ideia viva são os montadores. Ele afirma que existem outras associações, mas não sabe quantificar.

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

Ele confirma que os filhos e netos estão encaminhados nessa afinidade com a montaria. “Buerarema é a terra do esporte de montaria. É um esporte sadio e que integra as famílias”, explana orgulhoso.

Márcia Teles é a grande incentivadora e é o nome da mulher que representa a montaria em Buerarema. Perguntada sobre conciliar o papel de mãe, esposa e comerciante com a montaria, ela afirma que parte da paixão.

O grupo organizava diversas festas no Líder Social e na Madinsa (hoje CEPLAC). A partir da arrecadação com estes eventos que realizavam as montarias e o remanescente era doado, indicando também oviés filantrópico da associação.
 

Questionada sobre o hábito que os organizadores tem de montar nas segundas-feiras, ela explica que o domingo da montaria é muito cansativo para os realizadores, sobretudo nos anos iniciais, em que havia ornamentação do espaço e realização de churrasco. No dia seguinte, como todos estavam descansados e os animais estavam preparados e chapeados (com ferraduras) a diretoria curtia com tranquilidade.

Ao fim da entrevista, ela exibe uma faixa com a qual foi homenageada, escrita "ETERNA AMAZONA", momento em que é abraçadapor seu esposo, Ivo Teles. Agradece o apoio dele e de todos com os quais teve a oportunidade de conviver nessa jornada.
 

Márcia se emociona com o reconhecimento e afirma que permanece viva a sua paixão por cavalos. Agradeceu às mulheres, que junto a ela, romperam as barreiras espaço predominantemente masculino, embora muito respeitador. Lembra de algumas companheiras, como Ivanete Rosário, Dona Dete, Marly e Dona Valdite.

FOTO RAFAEL VILA MAUCO.jpeg

Rafael Guirra

24 anos, tem Buerarema como sua terra-mãe. Graduando em Direito pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), é ator amador, agente cultural integrante da Casa de Cultura Jonas e Pilar e atual presidente do Instituo Macuco Jequitibá (2018 - atual)